Quem tem medo do .COM ?

Se um site é “.com.br”, todo mundo reconhece como um sinal de site confiável e que todos vão acessar.

Essa é uma cultura típica de brasileiros e realmente parece que os domínios “.com.br” passa no inconsciente de muitas pessoas como algo sério. Muito disso se deve ao fato que, no início, para se registrar domínios “.com.br”, era necessário o uso de CNPJ. Hoje em dia, qualquer pessoa com CPF faz um registro.

O domínio faz diferença?

Se for bem criado, um domínio faz diferença, sim. Alguns detalhes que fazem a diferença:

  • Ramo de atuação (ex.: raçõestiojuca.com.br)
  • Tipo do produto (ex.: motosrondda.com)
  • Facilidade de lembrar (ex.: a empresa se chama RJKHL e vende motos, então adota-se como domínio motosdequalidade.com.br)
  • Cuidado com poucas letras, um dominio com três letras pode parecer simples de lembrar, mas no final causar confusão quando o visitante não lembra quais eram as três letras que não formavam nenhuma palavra conhecida.

As extensões de domínios.

As extensões originalmente foram feitas para determinar o tipo de negócio. Não pegou muito bem, tanto que a maioria das pessoas nem imagina que existem dezenas de tipos, quase que uma para cada tipo de profissão.

ex.: Advogados (.adv.br)

Arquitetos (.arq.br)

Corretores (.cim.br)

Empresas prestadoras de serviços (.srv.br)

Imobiliárias (.imb.br)

E as extensões para domínios internacionais, como o “.com” e o “.net”, são muito mais fáceis de registrar e são reconhecidas no mundo inteiro.

Mas o “.com.br” é realmente melhor?

Do ponto de vista de ser lembrado pelos seus clientes, o “.com.br” é realmente a melhor alternativa e a primeira opção na busca por um bom domínio.

Deve se considerar a primeira opção, o .com, se a empresa pretende atuar no mercado internacional e, nesse caso, não utilizar palavras em português para formar o domínio. Porém, é interessante considerar a compra de domínios regionais com a marca, para não ser utilizado por mais ninguém.

ex.: Motos Gengibre vende para os EUA e o Brasil, então considere comprar dois domínios:gengibre.com e o gengibre.com.br

A influência do Google

Muitas vezes eu ouvi “não quero um domínio .com, ninguém entra”.

Isso é uma meia verdade. A grande diferença na internet de hoje em dia é que muitas pessoas começam a navegação pelo Google, então, se querem visitar o site da empresa Gengibre, em vez de ir até o site gengibre.com.br, o usuário digita “gengibre motos” no Google e acessa o site por lá, ou por uma busca pelo modelo de moto que deseja.

Nesse novo cenário, grande parte do seu público virá até o seu site dessa maneira. Mas nunca subestime o poder do boca-a-boca, cartões de visitas e anúncios impressos. Para esses casos, um bom endereço fácil de lembrar ajuda muito.

O Google ainda gosta muito da extensão “.com”: é o melhor domínio para quem já pensa nas buscas desde o início. Mas cabe aqui uma observação que essa é apenas uma das dezenas de itens de um bom trabalho, então não entre em desespero buscando apenas o “.com”.

Da mesma forma que o Google adora a extensão “.com”, ele odeia as “.info”, pela facilidade de contratação no exterior com preços geralmente muito baixos. Esse tipo de extensão é muito usado por spammers, o que deixou todo mundo que o usa sendo “mal falado” no Google.

Como escolher o domínio então?

Eu considero a seguinte ordem de escolha na formação do domínio:

  1. Procure o domínio de seu país com a sua marca;
  2. Logo após, procure o domínio de seu país com a sua marca e o seu serviço;
  3. Depois, procure o domínio internacional com a sua marca.

Ninguém é dono de um domínio até pagar por ele todo ano, portanto, essa ordem pode ser utilizada, pois nem sempre você encontrará o domínio que deseja à venda, e precisará encontrar alternativas.

Se possuir verba para comprar os três tipos, considere fazer isso, o custo anual é baixo e não corre o risco de outra empresa se vincular à sua marca com o endereço na internet.

Em uma próxima oportunidade, pretendo abordar melhor a construção do endereço de sua empresa na internet. O objetivo aqui era apenas desmitificar o medo de usar um dominio “.com”.